05/09/2009

"VERÁS QUE UM FILHO TEU..."


7 de Setembro de 1999. A exemplo de anos anteriores eu participava da “Marcha dos Excluídos”, ato público a nível nacional organizado por setores da Igreja, partidos de esquerda e segmentos da sociedade organizada para denun-ciar os crônicos problemas do Brasil, de Cabral aos dias atuais.

Como de costume eu distribuía corações de papel contendo trovas contextuais, entre os manifestantes e o público em geral, como as que seguem:

Acobertando bandidos,

vai a Justiça, em verdade,

aumentando a impunidade

e a procissão de excluídos!

***

Existe, em nossa República,

gente mal-intencionada

fazendo na vida pública

o mesmo que na privada!

***

Brasil, país onde abunda

a impunidade e seus traumas:

o povo toma na bunda

e o governo bate palmas!

Entramos no rabo do último pelotão do exército que participava da “parada militar” e seguimos pela avenida Serzedelo Correa rumo à Presidente Vargas, onde a polícia militar já estava postada com “ordens superiores” de não deixar passar ninguém. Os organizadores do ato ainda tentaram dialogar com os “donos da rua” sem sucesso.

A partir daí, já com os ânimos exaltados, os manifestantes forçaram a barra gritando palavras de ordem contra a repressão mas foram recebidos pelos milicos com bombas de gás lacrimogêneo e balas de borracha. Instalou-se o caos: gritos, correria, tosses e sufocamentos provocados pelo gás de efeito (i)moral. Muita gente ferida, inclusive este valente

escriba, atingido por estilhaços de bombas nos braços e barriga.

Tentando proteger minha estimada carcaça, entrin- cherei-me detrás de um carro esperando a refrega passar, enquanto o locutor do carro-som dos manifestantes pedia, desesperadamente, calma de ambas as partes. No espaço vazio que se formou entre os manifestantes e a polícia, uma grande faixa de pano jazia sobre o asfalto, abandonada por seus condutores, onde se lia, ironicamente, em letras garrafais: “BRASIL, VERÁS QUE UM FILHO TEU NÃO FOGE À LUTA!”

Um comentário:

  1. ELOY BORGES07/09/2009 17:58

    Juraci,
    Cavucando nas webs, encontrei teu blog. Lendo este post lembrei da refrega desse dia. Eu também estava lá.
    Um grande abraço.

    ResponderExcluir